Blogs como fonte de informação

[Este texto é de maio de 2007]

No dia 16 de maio um dos maiores blogs do mundo soltou uma notícia dizendo que novos produtos da Apple atrasariam. Como resultado as ações da empresa caíram QUATRO BILHÕES em 6 minutos.

Estariam as pessoas superestimando os blogs? Acredito que sim. E isso é perigoso poque pode, a longo prazo, desmoralizar e derrubar a idéia da publicação pessoal independente. Mas como podemos avaliar as informações postadas em um blog?

Blogs são conteúdos web

Os blogs são conteúdos publicados na web. Dessa forma, as regras para validação de conteúdos web se aplicam inteiramente aos blogs.

O Web Credibility Project, do Stanford Persuasive Technology Lab, objetiva pesquisar questões relativas à credibilidade das informações. Se fatores de design e contexto influem, o que leva as pessoas a acreditarem em determinadas fontes, e como quantificar a credibilidade na web.

Uma compilação de três anos de pesquisas com mais de 4500 pessoas, resultou em dez pontos, que se seguidos, aumentam a credibilidade de uma página web. Alguns desses pontos serão trazidos e comparados com o artigo “Evaluating Information Found on the Internet” [Avaliando informação encontrada na internet] de Elizabeth Kirk.

Kirk afirma que as informações presentes na web são diferentes daquelas que estão nas bibliotecas, livros e periódicos porque não passaram por uma análise de um profissional (editores e/ou bibliotecários).

Por isso quem avalia a qualidade da informação é quem irá efetivamente usá-la. Abaixo uma discussão pontuada pelos itens que Kirk coloca como essenciais na avaliação de qualidade de um conteúdo web.

1 – Autorship (Autoria): colocado como o mais importante fator de análise da credibilidade de um documento. Para saber se uma informação é confiável, analise quem a escreveu. Para isso:

a) O autor é uma autoridade nesta área do conhecimento?
b) Este autor é citado por outros que você reconhece como confiáveis?
c) Quem está “linkando” esse autor?
d) O documento sob análise possui informações sobre a instituição da qual o autor faz parte? Existem informações biográficas? Endereço da instituição ou do autor?

O documento de Stanford concorda principalmente com o item 1d ao trazer um item intitulado “2-Show that honest and trustworhy people stand behind your site“ (2-Mostre que pessoas honestas e confiáveis estão por trás do seu site). Nas observações o item releva a necessidade de mostrar que existem pessoas reais por trás daquele site, neste caso, blog.

Ou seja, o mais importante é que informações sobre quem é o autor do blog existam, estejam facilmente localizáveis e suportadas por terceiros que sejam confiáveis, como pretende o item 1 do Guideline de Stanford: “1-Make it easy to verify the accuracy of the information on your site” (1-Faça com que seja fácil verificar se as informações no seu site são verdadeiras).

2 – The publishing body (O Corpo de publicação): o blog como veículo pessoal de publicação muitas vezes pode não ter suporte de uma organização. Neste caso, o importante é verificar se o autor tem material já publicado.

Desta maneira é possível concluir que, se um trabalho prévio do autor passou pelas exigências de um corpo de publicação, então é, numa primeira análise, confiável. Porém deve-se levar em conta qual foi a instituição que publicou o material, suas exigências, objetivos, etc.

No item 3 do documento de Stanford existe o seguinte comentário que é relacionado a esta linha: ”Are you affiliated with a respected organization? Make that clear.” (Você é afiliado de uma organização respeitada? Deixe isso claro.)

Então se pode dizer que para um blog ser considerado confiável, seu autor deve ter ligação com alguma instituição confiável.

3 – Point of view or bias (Ponto de vista ou viés): os dados são transformados em informações e com isso carregam o ponto de vista do autor. O caráter de publicação aberta para qualquer um na internet permite que informações carregadas de viés sejam depositadas na rede e tratadas como se fossem neutras.

Para evitar esse tipo de informação deve-se ter em mente que, por exemplo: lendo informações sobre um político na página de um político de outro partido significa que você está lendo a oposição.

Informações sobre um produto ou serviço na página de seu responsável é propaganda. Ou seja, é de extrema importância levar em conta o contexto no qual aquela informação está inserida para concluir sobre a possível neutralidade daquela informação.

Segundo o guia de Stanford, conteúdos promocionais e propagandas degradam a credibilidade de um site. Deve-se levar em conta que propagandas podem influenciar o autor daquela informação.

Wikipedia e os blogs

Usar ou não informações de um blog depende da especificação da demanda, já que podemos concluir que, com muitos fatores para análise da qualidade da informação, pode-se tornar demorada a análise de várias fontes.

Na página oficial de políticas de verificabilidade de informações da Wikipédia em inglês consta:

“Anyone can create a web-site or pay to have a book published, then claim to be an expert in certain field. For that reason, self-published books, personal websites, and blogs are largely not accepted as sources.”

“Qualquer um pode criar um web-site ou pagar para ter um livro publicado, e então dizer que é um especialista de certo campo. Por essa razão, livros auto-publicados, websites pessoais, e blogs são amplamente não aceitos como fontes”

Ou seja, ainda é difícil considerar um blog como fonte de informação confiável mesmo que haja alguma verificabilidade destas informações.

Mais informações:

Information Quality WWW Virtual Library

Fato relacionado a confiabilidade das informações postadas em blogs:

False alarm: iPhone NOT delayed until October, Leopard NOT delayed again until January

O Poder dos Blogs: Engadget vs Apple

Comments are closed.