O Panda do Google

 

Se fosse Google Road Runner faria mais sentido mesmo, Pedro.

Sexta-feira o Google ativou no resto do mundo uma atualização no seu sistema de busca. Chamada de Google Panda Update, essa atualização visa limpar os resultados de pesquisa derrubando aqueles sites que tem conteúdo de baixa qualidade. Para tanto, diversos “sinais” são utilizados, como conteúdo copiado de outras fontes.

A atualização que aconteceu em 24 de fevereiro nos resultados de busca do Estados Unidos, estendeu-se para as buscas em inglês do mundo todo no dia 11 de abril, e na sexta-feira 12 de agosto chegou em quase todo o resto do mundo, incluindo o Brasil. Nas buscas em inglês o Google divulgou que 12% dos resultados de pesquisa foram afetados pela alteração, nas buscas para o resto dos idiomas esse número é de 6 a 9%.

Para webmasters de todo o mundo o Panda trouxe preocupação. Muitos sites e blogs perderam do dia para a noite números importantes de tráfego orgânico (com origem em buscadores). No meu caso, em um dos sites a queda chegou a 70%. No novo-MUNDO.org foi de 40%. É claro que alguns estão rindo a toa, afinal o tráfego não some, muda de endereço, então alguns sites ganharam tráfego.

Conversando com diversos webmasters brasileiros pude perceber que não foram apenas os meus sites que sofreram com a patada do Panda. Alguns sites que primam pela satisfação do leitor e qualidade de conteúdo acima de tudo, como o Tecnoblog, chegaram a perder 30% do movimento, como reporta o editor-chefe deles nesse twit:

Outros que foram afetados pelo Panda

Em verde, visitação da sexta-feira anterior ao Panda. Em azul, o efeito Panda.

Consultei vários conhecidos e amigos sobre o assunto para ver como o Panda os afetou. A implantação do Panda fez o empresário Fernando Doege perder posições importantes com o site de sua empresa, o que provavelmente afetará os negócios. Celso Junior viu seu Dogdogs.net perder 30% das visitas. O blogueiro Evandro César sofreu mais, um dos seus blogs teve 90% do tráfego proveniente do Google cortado na sexta-feira, dia em que o Panda entrou no ar.

Por outro lado, Fernando Rigotti que teve queda em um site, recebeu um aumento de visitas em outros dois, na proporção de 20 a 30%. Ainda sobre beneficiados pelo Panda, Raphael Mendes, dono do Bobagento, reportou um aumento acima de 10% nas visitas orgânicas (Google), um pouco mais que esse percentual foi a alta registrada por Andersson Quegi, do blog Anderssauro.com.

Não custa informar que os webmasters mencionados tem sob suas tutelas sites com tráfego estável de até algumas dezenas de milhões de pageviews. Então uma mudança de 10% é algo bem perceptível.

E isso que provavelmente o Panda nem experimentou o bambuzal todo, como dá a entender Pedro Dias (Search Quality Analyst no Google) em mais um dos seus twits com indiretas irônicas:

É evidente que ainda é cedo para ter as mudanças de tráfego como algo final. Mudanças e melhoramentos ainda serão realizados no Panda, e depois disso novas atualizações de algoritmo virão. Segundo o pessoal do Google responsável por esta mudança, ela foi bem recepcionada pelos usuários, como é dito no post oficial de aviso sobre o lançamento do Panda:

“…a resposta dos usuários ao Panda tem sido muito positiva.”

É possível acompanhar o raciocínio do dono dessa afirmação, Amit Singhal, neste vídeo em que ele, e os outros dois cabeças de busca do Google, Ben Gomes e Matt Cutts introduzem ao público como as mudanças são baseadas em método científico, e também sobre o futuro das buscas (vídeo longo, em inglês):

Como salvar seu bambu?

Da época do lançamento do Panda no Estados Unidos, a revista Wired fez uma matéria sobre o assunto na qual Matt Cutts afirma claramente que a atualização tem sinais que podem ser “manipulados”. Não é surpresa, já que todo sistema tem suas falhas. Mas não vamos tentar enganar o Panda, e sim seguir nosso ardiloso trilho da honestidade. Para tanto, temos a lista de itens que o Google considera como sinais de alta qualidade em um site.

A lista é subjetiva, assim como a qualidade é. Para alguns, um site pode aparecer bem nessas perguntas, já para outro usuário, pode ser completamente o contrário. Parece-me um questionário que usam em avaliações de qualidade de grupos de foco.

Do ponto de vista do usuário quanto ao artigo

  • Você confiaria na informação presente nesse artigo?
  • O artigo tem erros factuais, de gramática ou estilo?
  • O artigo fornece relatórios, pesquisas, análises, informações originais?
  • O artigo descreve os dois lados da história?
  • O artigo foi bem editado, ou parece produzido as pressas e sem muita atenção?
  • Esse artigo contém análises profundas ou informações interessantes que vão além do óbvio?
  • Esse artigo é escrito por um expert ou entusiasta que conhece bem o assunto, ou é superficial em sua natureza?
  • O artigo contém muitos anúncios que podem te distrair ou interferir no conteúdo principal?
  • Você acharia possível ver esse artigo em uma revista, enciclopédia ou livro?
  • O artigo contém muitos anúncios que podem te distrair ou interferir no conteúdo principal?

Do ponto de vista do usuário quanto ao site

  • Você sentiria-se confortável em dar suas informações de cartão de crédito para este site?
  • Para uma pesquisa sobre saúde, você confiaria nesse site?
  • É uma página que você gostaria de salvar nos favoritos ou recomendar a um amigo?
  • Você reconheceria esse site como uma autoridade no assunto pelo nome dele?
  • Esse site fornece uma descrição completa e compreensiva sobre o assunto?
  • Os artigos são curtos, superficiais, ou de alguma forma não tem detalhes úteis?

Do ponto de vista do webmaster

  • Quanto de controle de qualidade é feito no conteúdo?
  • O conteúdo é produzido em massa ou terceirizado para muitas pessoas, ou espalhado em uma grande rede de sites, de modo que páginas individuais não recebem muita atenção ou cuidado?
  • O site contem artigos duplicados, semelhantes ou redundantes sobre o mesmo assunto com pequenas variações das mesmas palavras-chave?
  • Os assuntos dos artigos são demanda dos interesses dos leitores do site, ou são apenas conteúdo que tenta adivinhar o que irá se classificar bem nos buscadores?
  • A página oferece valor quando comparada as outras páginas nos resultados de busca?
  • O site é uma autoridade reconhecida no assunto?
  • As páginas são produzidas com atenção aos detalhes?
  • Os usuários reclamariam ao ver as páginas desse site?

Para o infinito e além

Não é a primeira, e não será a última. Mudanças grandes para impedir que conteúdo de baixa qualidade apareça nos resultados de busca sempre aconteceram. E os efeitos colaterais vem junto. Se você foi afetado pelo Panda Update não adianta pedir para o Google abrir uma exceção, porque eles não fazem isso. No máximo poderá indicar para eles sobre um resultado de busca que piorou com a implantação do Panda, se sua queixa for justa serão consideradas possíveis alterações de algoritmo para corrigir os desvios.

Lembre-se que o Panda pode não ter processado todo o índice em português, e que mais alterações importantes venham a acontecer nos resultados de pesquisa. Além disso, alterações em seu site podem não ter efeito imediato (dias). O site Search Engine Land acredita que se um site sofreu uma queda com o Panda, ele só poderá se redimir na próxima atualização que vier.

Quem vai pagar a conta do Panda?

[Atualização] A fúria do Panda

No screen abaixo, o efeito Panda em um site de generalidades. Como podem ver, comparando-se a sexta-feira Panda com a sexta-feira anterior é possível observar a forte variação nas palavras-chave. E podemos observar que o Panda, nesse site:

  • Aumentou a taxa de rejeição em 11%;
  • Baixou o tempo médio no site em 64%;
  • Baixou o números de páginas por visita em 13%.

Desde quando comecei a ler a respeito do Panda, o esperado era justamente o contrário. Favorecer sites com Taxa de Rejeição menor ou em queda, e que tivessem mais Tempo Médio de Página.

Só nos resta aguardar os ajustes.

Comments are closed.